domingo, 9 de março de 2008

X Festilha, os resultados...

A grande vencedora da X edição do Festilha foi Copituna D´Opidana - Tuna Académica da Guarda. Este Festival foi sem dúvida mais um grande sucesso da parceria entre a Câmara Municipal de Ílhavo e a Tuna Universitária de Aveiro. O Centro Cultural da Gafanha da Nazaré não chegou para acolher tanta gente…
Mais um óptimo desfile de grande tunas cheias de boa disposição, animados também pela apresentação que esteve cargo dos Jogralhos - Grupo de Jograis Universitários do Minho.


O espectáculo começou com a actuação extra-concurso da Tuna Feminina AAUAv. Foi uma actuação animada, cheia de alegria onde se destacou a interpretação e os arranjos da música “Chuva” de Mariza e a “Hoy” de Gloria Estafen.


Seguiu-se a actuação da Tuna Académica do Instituto Superior de Engenharia do Porto. Estes moçoilos tripeiros começaram a actuação com já conhecida “Mulher Tripeira”, seguindo-lhe “Maria Morena", o instrumental "Perestroika”, “Razom de Vivir” e para terminar o tradicional hino ao Porto “Porto, Vinho e Lugar” onde se destacou a brilhante actuação do porta-estandarte.


A terceira tuna actuar também veio do da nobre cidade invicta. A Tuna do Distrito Universitário do Porto saudou-nos, como já nos habituou, com um excelente espectáculo. Iniciou a sua actuação com uma música dos seus padrinhos “Navegamos a Cantar” onde se destacou o excelente arranjo vocal. Seguiu-se-lhe, dedicados “às meninas bonitas ali do sítio e às mulheres, por ser o seu dia” “Raparigas Belas” onde, as pandeiretas arrebataram o público. Do outro lado do atlântico trouxeram cheio de ritmos latinos “Mariposita”, depois “Capa Negra” e por fim com “a casa de todos nós” a “Casa Portuguesa”.


Em quarto lugar actuou a Tuna de Medicina da Universidade de Coimbra. Foi um espectáculo cheio de tradição e de cor. Iniciou a sua actuação com o tema “Adeus", uma música que relembra o eterno Fado de Coimbra. Apresentou um repertório de tom coimbrão com grande qualidade musical.


Seguiu-se a da Copituna D´Opidana - Tuna Académica da Guarda. Foi um espectáculo bastante coerente, “Guitarra de Ilusões”, “Menina Caloira” e "Capa ao Ombro" onde as pandeiretas se destacaram bem como a sua apresentação multimédia.


Por fim, para terminar este fantástico espectáculo seguiu-se a tuna da “casaTuna Universitária de Aveiro. Como sempre uma actuação cheia de muito ritmo começando pela já famosa e conhecida interpretação de um Medley Zeca Afonso.


A festa, ou o novo termo que aprendi recentemente com as meninas da Atituna, “fêta” continuou noite dentro com a mesma animação e cheia de música num bar ali ao lado – o Porão. O espírito que se sentia era fantástico, cheio de alegria, tradição e espírito académico aliado ao mais nobre espírito tunante.
Foi uma noite em grande onde mais uma vez aproveitei para rever amigos de sempre, onde como sempre, repetindo incansavelmente o slogan das Túnicas, “mais um concurso os Festivais são um local de reencontro e encontro de amigos..."

O júri assim deliberou…


Melhor Pandeireta – Tuna do Distrito Universitário do Porto
Melhor Estandarte – Tuna Académica do ISEP
Melhor Solista – Copituna Tuna Académica da Guarda
Melhor Instrumental – Tuna de Medicina da Universidade de Coimbra

Tuna Mais Tuna – Tuna do Distrito Universitário do Porto

2º Lugar – Tuna de Medicina da Universidade de Coimbra
Melhor Tuna – Copituna Tuna Académica da Guarda





5 comentários:

Fuguarolas disse...

um fim de semana muito bem passado....

os meus parabens à Camâra de Ilhavo e também à Tuna Universitária de Aveiro

Abraços

Carolina disse...

Foi sim senhor...
Um fim de semana muito bem passado.

Que saudades que eu tinhas destas andanças com direito a FETA e td...

Magi Matraka disse...

lolol nao me acredito que falaste de nos =) quer dizer eu sei k somos importantes, mas achava que era só no nosso mundo...

como sempre ainda bem que te encontrei por lá =) e essa cena do algarve ainda está a ser bem pensada =) mas ainda nao desisti!...

tens de aprender o lema... «Feta é féta, ninguém drome!»

Tiago disse...

Olá a todas(os):

Só queria rectificar uma pequenina coisa. A Copituna d'Oppidana não tocou a "Passa a Tuna" e sim a "Capa ao ombro", a Passa a Tuna apenas serviu de instrumental de saída de palco.

Abreijos

Short

Carolina disse...

Alo...

Oh minhas malukas, claro que são importantes e o lema está de todo aprendido e interiorizado «Feta é féta, ninguém drome!»:)
Quanto ao Algarve sabes bem que te queremos por lá, além disso, como pudes-te verificar um vez o lema lá é bastante usado, ainda que com Tagus… Mas só custam as primeiras três, depois o corpo habitua...

Tiago Copituna: Obrigada pela tua passagem aqui pelo blog. Fica então a correcção feita. Parabéns pela actuação e até um qualquer festival.