segunda-feira, 12 de abril de 2010

VIIII FESTUBI, o rescaldo...

A pedido dos amigos da DESERTUNA aqui fica o registo...


"Nos dias 9 e 10 de Março decorreu na bela Covilhã, cidade-neve, o Festubi , organizado pela Desertuna - Tuna Masculina da Universidade da Beira Interior.

Na sexta-feira decorreram as serenatas no Teatro Cine e uma noite bastante divertida no Buffalo’s Bar.

No sábado, após um almoço regado de cansaço, iniciou-se o pasacalles pelas ruas da Covilhã.
O espectáculo começou por volta das 21.30 no Teatro Cine da Covilhã, com uma excelente qualidade de som e um público bastante caloroso.

A apresentação esteve a cargo de um desertuno honorário - Pedro Neves (á semelhança dos anos anteriores), em jeito de “stand up comedy”. Trouxe-nos a Rosette (segundo a própria, a 1ª mulher na vida de grande parte dos desertunos), e ainda um “merdley” de música tradicional portuguesa, em inglês, da qual se destaca a famosa versão do “Saudad” cantado pela Cesária Évora e Bonga, dedicado ao José Castelo Branco (“I miss… I miss… I misss tê rátinha e nã tê piss…”).

O espectáculo começou com a actuação dos padrinhos das Desertuna – A Copituna D’Oppidana – Tuna Académica da Guarda, que começando e acabando com “A morte saiu à rua”, nos brindaram com temas como “Play-back”, “Saudade”, “Barco vai de saída” e a famosa “Menina Caloira” que contou com um coro fantástico por parte do público.

Subiu a palco a primeira tuna a concurso – Infantuna Cidade de Viseu com os seus excelentes arranjos vocais dos vários temas ouvidos (na sua maioria originais). Entre eles, o “Navegamos a cantar”, as “Águas do Dão”, “Lua e ciúme”, “Balada para um louco” de Astor Piazzola, a bela “Viseu Menina” e o ex-líbris “Indo eu a caminho de Viseu”.

A TAFEP – Tuna Académica da Faculdade de Economia do Porto trouxe-nos o espectáculo seguinte, com temas como “Desconfiado” “O pastor” do Madredeus, “Hino de Economia” e um medley de temas populares como “Boa Nova”e o “Fado do Estudante”. Actuação com bastante alegria e um belo show de pandeiretas.

Seguiu-se a Transmontuna- Tuna Universitária de Trás-os-montes e Alto Douro, com o seu “azuuuuuul e amarelo”. Abriu com o instrumental original bastante animado “Festa Ibérica”, seguindo com temas como a “Chuva”, de Mariza, e a estreia do original “Entre Montes”. O público ficou maravilhado com a magnífica voz do Gaiato em “Muñequita linda”, deveras arrepiante!

A última tuna a concurso foi a Hinoportuna – Tuna Académica do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, numa actuação dedicada a grandes nomes da música portuguesa, com muita boa prestação de pandeiretas e estandartes. Apresentaram os “Cantares do Maio”, a “Sete mulheres do Minho”, “Maio, maduro Maio” e um fantástico instrumental muito bem executado, que inclui temas de Zeca Afonso e Júlio Pereira, intitulado “Duetos”.

Os anfitriões subiram a palco com grande aplauso por parte do público. Por entre as suas fileiras contaram com a presença de muitos antigos tunos e com a sua alegria característica. Iniciaram o espectáculo de originais, com um excelente show de pandeiretas e os famosos temas “Tuninho” e “Covilhã”. Apresentaram ainda a sua “odisseia”, uma peça dedicada aos descobrimentos, desdobrada em 4 músicas extremamente poderosas - “Praia Lusitana”, “A nau e o sonho”, “Adamastor” e “Chegada à Índia”.

Após os devidos agradecimentos, foi feita a entrega de prémios:

Melhor Tuna: TAFEP
Tuna mais Tuna: TAFEP
Melhor Pasacalles: Transmontuna
Melhor solista: Transmontuna
Melhor Instrumental: Hinoportuna
Melhor Estandarte: Hinoportuna
Melhor Pandeireta: TAFEP
Melhor Serenata: TAFEP
Tuno mais “Tuninho”: Santo (da Transmontuna).

E porque este foi o último dia da Semana Académica da Covilhã, a festa terminou precisamente no recinto desta, ao som do didgeridoo e da percussão.

No domingo após um curta noite de sono, os tunos juntaram-se no almoço que decorreu na associação CCD Leões da Floresta , com muita música e boa disposição à mistura.

Parabéns Desertuna pela fantástica organização do Festival, onde não faltou nada. Foram 3 dias muito divertidos. Que venham mais festivais de tunas com a qualidade do Festubi, em todos os sentidos!

Para o ano lá estaremos novamente!"

Por Catarina Santos

8 comentários:

Anónimo disse...

O que se passou com a Infantuna?

El Yacaré!!! disse...

Acho que a pergunta a se fazer é: o que se passou com este festival?

Anónimo disse...

Quem esteve na plateia é que poderá dizer, a meu ver a Infantuna, esteve muito fraquinha... Uma desilusão...

Marta disse...

Honestamente, só não concordei com o prémio de melhor tuna que, pelo conjunto e a meu ver, merecia ter ido para a Hinoportuna. De resto, atribuiria do mesmo modo.
Em relação à Infantuna, apenas tenho um comentário a fazer: mais do mesmo. Não surpreendeu, não foi pujante e até posso acrescentar que a serenata de 6.ª feira foi uma vergonha...
Qualquer coisa que eu possa esclarecer, digam.

Anónimo disse...

A primeira tuna a concurso foi a Infantuna – Cidade de Viseu. Com cerca de 25 elementos em palco, destacaram-se pelos seus arranjos vocais e muita qualidade musical. Uma qualidade que só mesmo com muitos anos de palco se adquire.

http://desertuna.blogspot.com/

Anónimo disse...

Pena não constar a descrição da Infantuna de 6.ª feira...

Anónimo disse...

pena é haver duas versões do mesmo facto

Anónimo disse...

pena é ter-se de pedir desculpa depois....